Templo Zu Lai – Cotia – São Paulo

17 07 2015

O Brasil abriga a maior colônia nipônica do mundo. E esta população deixou marcas profundas no Brasil e vice versa. Além do monte de restaurante japonês que infestam São Paulo, o budismo é uma das marcas que muitas vezes passam desapercebidas, mas trouxeram algumas diferenças pra colcha de retalho que é a cultura brasileira.

O templo Zu Lai é uma das influências do ORIENTE (não apenas da colonização japonesa, mesmo pq a origem mais específica do templo é chinesa) que se destaca na arquitetura do país. Vale ressaltar que existem diversos outros templos budistas no Brasil, que valem ser conhecidos como o Kinkaku-ji brasileiro (localizado em Itapecerica da Serra/SP, se afirma ecumênico, mas é uma cópia do templo/jardim de Kyoto, Japão), o Quan Inn (SP/SP), Chagdud Gonpa Khadro Ling (Três Coroas/RS), templo Terra Pura (Brasilia/DF) ou o mosteiro Zen Kenkoji Morro da Vargem (Ibiraçu/ES).

Templo Zu Lai - Cotia -  São Paulo

Templo Zu Lai – Cotia – São Paulo

O templo Zu Lai teve origem na visita do Venerável Mestre Hsing Yün na década de 90. Um discípulo pediu para que alguém da comitiva continuasse no Brasil para continuidade do trabalho. Então a monja Jue Cheng, porteriormente conhecida como Mestra Sinceridade, se prontificou. O discípulo doou um sítio para que o trabalho fosse realizado e após muitos anos de trabalho este lugar se tornou o templo Zu Lai.

Arquitetura e arte

O budismo tem uma tradição muito interessante de buscar uma conciliação entre a arte e a religião, de forma que haja uma produção consistente de material que realmente tem valor estético e, muitas vezes, histórico. Este ponto é muito interessante/conflitante por que o budismo em si não precisa de uma arquitetura, o nirvana só pode ser alcançado por esforço individual. Mais que entender o nirvana, deve-se procura-ló.

Após a morte de buda (paranirvana) vários itens tornaram-se cobiçados. Apesar de ideologicamente os monges e autoridades do budismo não considerarem este comportamento saudável, ele foi/é tolerado e, até mesmo fomentado, já que trazia atenção e fieis. Isto acabou gerando a produção de muitas obras q transcendem a religião.

Outro ponto interessante é q muitos templos budistas do oriente são mais conhecidos por abrigarem alguma relíquia interessante (como o gigantesco buda deitado do templo Wat Pho em Bangkok, o moderno templo branco de Chiang Rai, as milhares de estátuas em Bai Dihn Pagoda, em Hanoi). Já o templo Zu lai tem todo seu charme num misto entre a natureza, que é uma parte importante do budismo, com arquitetura extremamente elegante.

O templo conta com um grande pátio, parapeitos trabalhados, cercado e integrado numa natureza exuberante, a cor branca, em contraste com o dourado que permeia muitos templos budistas, e sem foco de interesse na grandiosidade de alguma peça específica.

Eu, pessoalmente, recomendo atenção aos koma inu, os cães leão (é a capa do video do youtube acima), questão logo na base da escadaria que leva a porta. São como carrancas, que estão ali para defender o ambiente, para não deixar que os maus espiritos entrem. Eles normalmente estão em família, o macho com uma bolinha e a fêmea com o filhote.

Vale comentar que os arquitetos responsáveis pela obra foram enviados a China para maior contato com a escola  estudarem sobre as estruturas. Pra quem tem interesse sobre detalhes mais especificos da obra, aqui tem um link com a ficha técnica do templo.

Além do prédio principal, uma das partes mais agradáveis do passeio é o jardim com inspiração na tradição oriental, que possui os elementos básicos em sua composição: água, pedras (rochas verticais em geral representam o monte Meru, o centro do universo físico e metafisico), areia (uma segunda representação da água, é como o leito seco por onde o rio intermitente passa), lanternas, pontes, cercas, plantas e peixes.

Vale comentar que a água e a pedra são elementos contrários, são o yin yang, a dualidade do jardim oriental.

O espaço conta com um lago, um caminho bem definido por onde o visitante pode circular num espaço cuidadosamente planejado tanto na questão de plantas quanto nas pedras (hardscape) e, especialmente, na forma como o ambiente se encaixa dentro do jardim e como o jardim se encaixa no ambiente.

Eventos

A estrutura dos eventos cotidianos não são tão claros pra gente, que está acostumado a missas cristãs, que tem um formato mais ou menos definido q se repete. Os ritos budistas são diferentes pra cada escola. Os mais impressionantes são os cantados/recitados sutras, textos sagrados .

Estas cerimonias são muitissimo interessantes, uma experiencia riquissima. Os cânticos são estruturados de forma que levam a um transe, e a experiência de ver uma certa quantidade de pessoas cantando em unissono, é única. Mesmo sem entender nada, se vc conseguir se integrar ao cântico, vc passa a entender um pouco melhor o que é meditação.

O site do templo possui uma agenda com data, horário e nome da cerimônia, bem como se ela é em português ou chinês.

Um dos eventos que certamente especial, foi a presença do Dalai Lama, um dos grandes nomes do budismo tibetano. Ele discursou para uma multidão, conversou com pesquisadores da UNIFESP, esbanjou simpatia e compartilhou seus pensamentos sobre

Etiqueta – não faça presepada

Por mais Brasileiro que seja o lugar, existem algumas diferenças de etiqueta que eu recomendo para que a visita seja mais proveitosa possível, respeitando as tradições budistas.

-mantenha os ombros cobertos,

-use roupas que cubram os joelhos.

-não demonstre intimidade dentro do espaço do templo,

-sente e medite no interior do templo. Mas não fotografe.

-mantenha silencio durante as cerimonias.

-nao filme nem fotografe as cerimonias.

-Pets não são bem vindos.

(e nao reclame comigo. são regras deles… so dou o toque pra nao rolar presepada)

serviço

Estrada Fernando Nobre, 1461.
(Acesso pelo Km 28,5 da Rodovia Raposo Tavares)
CEP 06705-490. Cotia – São Paulo – Brasil

Tel: 55 (11) 4612-9805 / 4612-2895

link pro templo Zu Lai no Trip Advisor

Horário de funcionamento

2ª feira: FECHADO
3ª a 6ª feira: das 12h às 17h
Sábados, domingos e feriados:
das 9h30 às 17h.

Cerimônias dominicais: às 10h

Quer ler mais sobre o que fazer em SP ou no Brasil? Clique Aqui!

Anúncios




O templo Branco – Wat At Rong Khun – Chiang Rai – Tailandia

16 07 2015

O templo branco é uma das construções mais famosas e significativas do norte da Tailandia. Localizado na cidade de Chiang Rai, a cerca de 200 km da famosa cidade de Chiang Mai, o Wat At Rong Khun conseguiu o que o seu criador queria, tanto espiritualmente, passando pela valorização da arte tradicional tailandesa, quanto atrair milhares de visitantes todo ano.

Templo Branco, Chiang Rai, Tailandia

O templo Branco, Wat At Rong Khun, em Chiang Rai, Tailandia.

O ambicioso projeto é do artista Ajarn Chalermchai Kositpipat, que tinha como objetivo construir o mais bonito dos templos, que representasse a moderna/tradicional arte religiosa tailandesa, e. segundo suas próprias palavras, para rivalizar com o Taj Mahal e Angkor.

Aluno da universidade deSilpakorn, onde estudou extensivamente arte ocidental, Chalermchai passou a sentir “tédio” de acordo com que avançava seus estudos. Foi ai que ele começou a se aprofundar nos estudos da arte tailandesa, ramo pouco popular entre os estudantes, que consideram algo ultrapassado. Este foi um dos estimulos/desafio: valorizar e renovar a arte tradicional tailandesa.

Para ele, o templo é o ponto alto da sua arte. Junto com mais de 80 pupilos, aos poucos ele vai desenvolvendo o complexo, que conta com o “mais luxuoso banheiro do mundo”!

A simbologia budista é misturada com icones da cultura popular.A entradado templo é um mar de problemas, com diversas mãos e demonios de boca aberta tentando impedir a entrada. De acordo com o avanço pela ponte, a pessoa deixa os problemas para tras e passa a encontrar imagens que remetem aos conflitos internos.

bustos de personagens de filmes pendurados no jardim do templo branco

Bustos de personagens da cultura pop ocidental penduradas numa arvore

Budha é retratado em luta com Mara, e em muitos pontos épossivel ver os demonios combatendo utilizando armas modernas, como metralhadoras. Uma figura muito famosa é um demonio com uma imagem de Osama Bin laden e George Bush nos olhos. Chalermchai diz que isto é um alerta para a questão de que temos de olhar e perceber que segregar sempre leva a destruição, e q pessoas pacificas não querem nem a destruição dos islamicos, nem da america. Em outras gravuras famosas, são representados icones como Ultraman, Superman, o alien, etc.

O templo é branco para, alem de diferencia-lo do dourado dos outros templos que Chalermchai considera um sinal de luxuria, remeter a paz e pureza de espirito e intenção que são valores budistas. mas isso tb gera problemas de manutenção, então são feitas 3 limpezas anuais, um durante o ano novo tailandes, após a época de chuvas e antes do inverno.

Outra obra relevante de Chalermchai em Chiang Rai é o relogio dourado. Feito em substituição a um outro relógio que atualmente está localizado próximo do mercado, esta obra abriga tambem atividades culturais 2 vezes por dia e pode enriquecer quem vem em tour de apenas um dia.

O passeio

Em Chiang Mai é muito facil contratar um serviço de tour para o wat At Rong Khun, tanto em onibus com uma turma quanto em carro privado. Normalmente os passeios em grupos param em locais com aguas termais, que achamos desinteressantes, então optamos por um carro particular que nos levou e nos trouxe.

Portanto, não conheço muita coisa por lá, então deixou uma seleção de blogs q usei como referência para a minha viagem e q podem ajudar vcs!

vontade de viajar – o templo branco

vo ali – o que fazer em chiang rai

quero viajar mais – guia de Chiang Rai

No vídeo da Exposa Travel, temos 25 minutos de imagens fantasticas e locais excelentes de Chiang Mai, o que pode ajudar mto.

Quer saber mais sobre o sudeste asiático? Clique aqui e acesse todos os posts sobre esta área do mundo.